F

Acabou de sair

 https://livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br/2018/03/resenha-furia-domada-de-megan-maxwell.html  https://livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br/2018/04/resenha-ligeiramente-perigosos-mary.html  https://livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br/2018/04/o-que-li-em-marco-2018.html

O que você procura?

29 janeiro 2018

Resenha | Antes da tempestade, de Dinah Jefferies

Título: Antes da tempestade
Autora: Dinah Jefferies
Editora: Paralela
Gênero: Romance
Páginas: 343
Ano: 2017
Skoob

(cortesia da editora)

Sinopse: "Para conhecer o amor verdadeiro é preciso ser arrasado por ele.” Rajputana, Índia, 1930. Desde a morte de seu marido, a jovem inglesa Eliza tem como única companhia sua câmera. Determinada a se firmar como fotógrafa profissional, ela acaba de aceitar um convite do governo britânico para se hospedar durante um ano no castelo da família real local. Sua missão: fotografar, para o acervo da Coroa inglesa, a vida no Estado principesco de Juraipore. Ao conhecer Jayant, irmão mais novo do marajá, Eliza embarca na aventura mais transformadora de sua vida. Acompanhada pelo príncipe rebelde e misterioso, ela conhecerá uma terra marcada por contrastes — com paisagens de beleza incomparável, cultura rica e vibrante e, ao mesmo tempo, a mais devastadora das misérias. Enquanto Eliza desperta Jayant para a pobreza que circunda o castelo, ele mostra a ela as injustiças do domínio britânico na Índia. Juntos, descobrem uma afinidade de alma e uma paixão arrebatadora. Mas a família real fará de tudo — até o impensável — para impedir a aproximação entre o nobre indiano e a viúva inglesa.



Você sabe quando o livro é maravilhoso, quando vira a última página e sente vontade de abri-lo e ler tudo novamente. Foi isso que senti quando terminei essa leitura. A história de Antes da tempestade, escrito por Dinah Jefferies, a mesma autora de O perfume da folha de chá, tem como pano de fundo a Índia colonial. Rajputana, 1930. Eliza é uma jovem viúva inglesa que viveu na Índia quando era criança, e que agora retorna por causa de um convite do governo britânico: hospedar-se no castelo da família real local e fotografar a vida no Estado principesco de Juraipore para o acervo da Coroa britânica. Ao aceitar o convite ela só queria firmar sua carreira profissional como fotógrafa, mas nunca imaginaria os meses intensos que viveria. Ao conhecer o príncipe Jayant, irmão do marajá, ela passa a conhecer muitos lados da Índia, com suas paisagens incríveis, mas também sua devastadora miséria e as injustiças do domínio britânico. A verdade é que, cheios de afinidades, Eliza e Jay fazem muitas descobertas juntos e se apaixonam imensamente. Porém, a Índia é um mundo completamente diferente do de Eliza, e Jay terá que escolher entre a honra e o amor, em um país onde as viúvas são lançadas ao fogo.


A escrita de Jefferies mais uma vez me encantou. Com uma narrativa em terceira pessoa, somos totalmente envolvidos e seduzidos por esse romance. É o segundo livro que leio da autora e pude perceber que sua marca registrada deve ser criar protagonistas femininas delicadas e ao mesmo tempo fortes, em uma sociedade injusta para as mulheres. Adorei a criação dos personagens e a ambientação. Tudo se encaixou perfeitamente.

É impressionante como a autora trabalhou os detalhes ao descrever as paisagens e construções da Índia, tornando tudo visível em nossa mente sem deixar a leitura cansativa. Em meio a uma cultura tão vibrante e cheia de cores, vamos nos encantar ainda mais quando começarmos a acompanhar o envolvimento de Jay e Eliza. Apesar de culturas totalmente diferentes, eles possuem inúmeras afinidades. Adorei como a convivência foi permitindo o surgimento do amor. E um amor mega proibido por sinal. O grande abismo que existe entre o casal não é somente a origem de Eliza, mas também seu estado civil (viúvas são consideradas desonradas na Índia*). Amo amores assim, considerados impossíveis! E toda a proibição desse amor, bem como os diálogos misteriosos de Jay, que tornam a narrativa, nos momentos românticos do casal, tão envolvente e viciante. O leitor sente a intensidade daquele sentimento e já lamenta pelo desfecho do livro, torcendo para se surpreender. Eis que nasce meu novo crush literário... Jayant! (risos)

É possível entender aqui um pouco da cultura indiana, principalmente no período em que os ingleses dominavam o país, mesmo que não de maneira aprofundada, já que a autora cede muito mais espaço para o romance. O que gostei foi como a autora trouxe essa cultura, que é tão diferente da nossa e da dela própria, afim de nos impressionar e indignar, ao mesmo tempo ensinar a respeitar seu lado místico. E o título fez todo o sentido. Um sonho vivido antes da tempestade que chegaria a Índia - as monções -, e com ela uma própria chuva torrencial chegar na vida de Eliza. 

"Alguma coisa no semblante dele a fez sentir mais do que queria. Estaria brincando com ela? Eliza mexeu no cordão de prata que sempre usava, com uma pequena pedra preciosa, depois sentiu o próprio pulso disparado. A Inglaterra lhe pareceu muito distante. Na verdade, cada vez que ele olhava para ela, seu país parecia um pouco mais longe." (p. 118)

Antes da tempestade foi a primeira leitura que favoritei no ano. Ainda que eu tenha pequenas ressalvas sobre algumas revelações no desfecho, o que mais conta em minha avaliação é o coração. O romance em si me arrebatou! Uma história linda, linda e que vale a pena ler! Deu para sentir que se você ama romance, tem que ter esse na estante, não é? 

Onde comprar: Amazon





No passado, ao se tornarem viúvas na Índia, as mulheres tinham seu cabelo raspado para perder toda a sua vaidade, perdiam todas as suas roupas para se desfazerem de todos os seus bens e eram vestidas com um sari branco, sua única veste, para diferenciá-las, afinal elas agora eram párias, “impuras” e não poderiam ter contato com outras mulheres e crianças. Ainda hoje, em muitos lugares da Índia, a viúva é vista como um peso e como uma mulher sexualmente perigosa. Até 1929 acontecia uma prática bizarra chamada Sati, onde as viúvas eram lançadas, forçadamente ou espontaneamente, ao fogo. Apesar da proibição pelo Estado indiano, a tradição fala mais alto e secretamente essa prática ainda é realizada em algumas regiões. Fonte

4 comentários:

  1. Adoro livros que são ambientados na Índia, até o presente momento todos os livros que de alguma forma tinha relação com essa cultura se tornaram meus preferidos. Adorei a resenha, futuramente gostaria de ler esse livro.

    sonhoseaventurasdeamor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oii!

    Estou com esse livro na minha lista do skoob há algum tempo, mas ainda não li. Parece uma ótima leitura, principalmente por ser romance. Quero começar a leitura, logo!

    Beijos

    http://mecontanoblog.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma ótima leitura, recomendo. Assim que puder, leia!

      Excluir