F

18 janeiro 2016

Resenha - Uma história de amor e TOC

Título: Uma história de amor e toc
Autora: Corey Ann Haydu
Editora: Galera Record
Gênero: Sick-lit
Páginas: 320
Ano: 2015

Sinopse: Bea foi diagnosticada com transtorno obsessivo-compulsivo. De uns tempos pra cá, desenvolveu algumas manias que podem se tornar bem graves quando se trata de... garotos! Ela jura que está melhorando, que está tudo sob controle. Até começar a se apaixonar por Beck, um menino que também tem TOC. Enquanto ele lava as mãos oito vezes depois de beijá-la, ela persegue outro cara nos intervalos dos encontros. Mas eles sabem que são a única esperança um do outro. Afinal, se existem tantos casais complicados por aí, por que as coisas não dariam certo para um casal obsessivo-compulsivo? No fundo, esta é só mais uma história de amor... e TOC.



Logo depois do lançamento deste livro, veio uma enxurrada de resenhas, em sua maioria, não muito positivas. Acredito que isso me fez ir sem muitas expectativas na leitura, pois estava um tanto curiosa para ler logo o livro. Mesmo assim, acabei não gostando tanto da obra, e agora entendo o que talvez tenha incomodado alguns leitores.

Bea tem 16 anos e faz sessões de terapia para controlar seu transtorno obsessivo compulsivo. Algumas coisas que aconteceram em seu passado a faz sentir medo de machucar alguém e colocar as pessoas em perigo. Ela tem bastante medo de dirigir, e às vezes, o faz com um receio que chega a ser irritante. Objetos cortantes deixam-na ainda mais obsessiva, e ela foge abruptamente deles. Como se não bastasse tudo isso, ela é uma espécie de stalker e persegue um casal que também faz terapia no mesmo consultório que ela. 

Somado esses problemas, já imagina-se como o livro prossegue. Mas Bea vê alguma mudança em sua vida quando conhece Beck, um garoto que também tem TOC e faz terapia em grupo com ela. Será que daria certo um namoro com dois jovens cheios de transtornos? Conseguiria ela estar com um garoto que lava as mãos oito vezes após beijá-la?

"Podemos ser loucos, mas existe uma lógica por trás até mesmo das coisas mais loucas que fazemos." (p. 237)

Em toda obra vamos acompanhar os pensamentos e sentimentos de Bea, e uma narrativa em primeira pessoa nos mantém mais próximos da personagem. A escrita da autora é fluída e consegue envolver logo nas primeiras páginas, porém, com o tempo, comecei a ficar um pouco desconfortável com  a personagem descrevendo seu transtorno. As perseguições ao casal também vão começando a irritar. Mas isso é totalmente compreensível quando sou uma leitora que não tenho TOC. E assim, parava para pensar o quanto devia ser difícil para uma pessoa como Bea, controlar seus maiores medos e manias exageradas. 

O personagem que mais me agradou foi Beck, que sofria muito com seu transtorno, mas se esforçava tanto para superar que conseguiu muitos progressos. Ao contrário, Bea só piorava e reclamava o livro inteiro de sua psicóloga. Isso realmente foi o que mais me irritou. Tudo bem, é compreensível, mas não é atitude de alguém que quer ajuda. E acho que por isso, o desfecho um pouco corrido, neste sentido de aceitar e receber ajuda, me frustou. Além disso, outra personagem, a melhor amiga de Bea, é uma chata que em nada ajuda a garota e ainda só soube ferrar a amiga.

Apesar de tudo, encontrei coisas que me agradaram no livro, como por exemplo, os primeiros encontros de Bea com Beck. Ela estava morrendo de medo do quanto um garfo poderia ser afiado e machucar alguém, e ele pensando o quanto aquele garfo poderia ter sido lavado mais oito vezes. Os dois com compulsões totalmente diferentes, tentando ter um encontro, ficou um pouco cômico. Não que isso seja totalmente engraçado, afinal, a vida dessas pessoas deve ser muito difícil, principalmente no convívio social. Mas esses trechos deram uma descontraída na leitura.

A leitura não foi de toda ruim, mas a autora poderia ter trabalhado a doença de uma maneira diferente e não ter focado apenas no problema em si, mas na recuperação também, que foi pouco desenvolvida, assim como a "história de amor" e esperança entre os personagens, que foi a promessa da sinopse. 

Apesar das ressalvas, se você tem curiosidade em ler o livro, leia, mas sem esperar uma história com reviravoltas e grandes emoções. Acredito que pode agradar um público adolescente que curte um sick-lit.





31 comentários:

  1. Concordo com você, o autor tem que cumprir o que promete! A sinopse também me interessou muito, o assunto é muito diferente e pouco discutido, mas acho, assim como você, que Sick-lits devem mostrar não só os lados ruins da doença, mas também a força de superação dos personagens. Enfim, quero ler para ver o que acho =) Abraços!
    bookdan.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Ainda não conhecia o livro, a sinopse me chamou bem a atenção mas agora fiquei numa indecisão de ler ou não.

    Frases, Trechos e Pensamentos

    ResponderExcluir
  3. Esse livro parece de todo um amor. A capa é um amor, a sinopse é um amor, a proposta é um amor, mesmo que se trate de uma doença. Mas sempre que eu leio algo sobre, alguém diz que a ideia não foi bem trabalhada. Ainda não tive oportunidade de ler, mas não vejo a hora, assim vou poder tirar minhas próprias conclusões, tô super curiosa.

    Beijos,
    :)

    ResponderExcluir
  4. Oii, estou seguindo seu blog e acabei de criar o meu, quero convidá-la a visitar e se quiser, seguir.
    http://leitoresapx.blogspot.com.br/
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Olá, Letícia.
    Uma pena que o livro não tenha te agradado totalmente. Eu, para ser sincero, esperava mais. Imaginei que a autora fosse focar em tudo e não apenas na doença propriamente dita. Além disso, a protagonista reclamando sempre deve encher o saco.
    Acho que não leria a obra.

    Desbrava(dores) de livros - Participe do top comentarista de janeiro. Serão dois vencedores!

    ResponderExcluir
  6. Leticia, eu entendo perfeitamente seu incômodo pela história. Sei que deve ser difícil para um leitor que conhece pouco sobre essa doença ou que não tem o convívio com pessoas assim, ler uma história que aborda na pele a vida de uma pessoa com toc.
    Por ter um tema bem diferente, eu imaginava que a autora fosse descrever melhor o enredo, emocionando o leitor. Uma pena que isto não aconteceu.
    Eu não tenho interesse de ler Uma História de Amor e Toc agora, mas possivelmente no futuro.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Não me agradei também. Com toda a certeza, assim como você, eru iria me irritar bastante com esta leitura e tão logo abandonaria. Mas que bom que você foi até o fim e ainda aproveitou algo bom.

    Beijinhos...
    http://estantedalullys.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    Sempre li resenha desse livro e sempre quis lê-lo, quem sabe um dia posso tirar minhas próprias conclusões :)
    http://meusdespropositos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oieee

    Gebtr to pra ler esse livro ha mtttt tempo, a sinopse é divina, mas sua resenha me mostrou pq meu eu interior até hoje não adquiriru o livro kkkkk
    Mesmo o livro nao seja tao bom, sua resenha foi muito boa pra nos mostrar a real opinião

    Beijinhos
    Gio - Clube das 6
    www.clubedas6.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi, tudo bem?
    O livro não me chama atenção por se sic-lit.
    E olha, agora quero menos ainda, pq se vc começou a leitura com baixas expectativas e mesmo assim não curtiu a leitura é pq é ruim mesmo.
    Bjs

    http://a-libri.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Chick-lits já foram mais queridos por mim, hoje nem tanto. Mas parece ser uma ótima história! Quem sabe? Beijos e sucesso!

    Carolina Gama

    ResponderExcluir
  12. Oi Leti, pela capa do livro eu não me interessei mas lendo a sinopse e a resenha fiquei curiosa em relação a ela ter TOC, nunca li um livro que aborda esse assunto eu já coloquei ele na minha lista de leitura bjs.

    ResponderExcluir
  13. TOC é algo que me instiga, acho que esse livro é juvenil e por isso, me sinto no dever de ler para compreender a abordagem da obra.

    ResponderExcluir
  14. Olá!
    Sou completamente doido para ler este livro. Eu te entendo sobre os pontos que te irritaram, mas espero que não venham a acontecer comigo.

    Beijos
    http://ummundochamadolivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  15. Oie,

    A primeira vez que vi o livro eu fiquei muito curiosa com a história e continuo ainda, mas agora sem muitas expectativas para com o livro. A capa é muito fofa, e me faz querer ainda mais ter o livro. Que pena que ele não é tudo que a sinopse promete. Irei dar uma chance ao livro, vai que eu goste da leitura.

    Bjs
    Mayla

    ResponderExcluir
  16. Oie tudo bem?

    Eu adoro sick-lit então tenho uma curiosidade enorme de ler este livro, mas também já li muitas críticas negativas a respeito dele. Qualquer dia desses em que eu trombar com ele em alguma livraria, quem sabe.

    ResponderExcluir
  17. Oi!
    Achei o livro interessante, parece uma historia muito linda e de superação e principalmente gostei que a autora fala de um tema muito importante e se tiver oportunidade quero muito ler esse livro !!

    ResponderExcluir
  18. Poxa, essa a primeira resenha não tão positiva que eu leio sobre esse livro.
    A história é bem interessante, mas pelos pontos que você citou entendo o porque de não ter gostado tanto.
    bjs, bjs

    ResponderExcluir
  19. Olá, Leticia.
    Eu gostei do livro, não amei, mas gostei. Concordo sobre a parte do amor, ficou só no toc mesmo. Acho que a autora quis mostrar a doença a fundo mesmo, o que as pessoas que sofrem disso passam. Mas sobre o amor ficou a desejar e a recuperação também.

    ResponderExcluir
  20. Oi!
    Sempre tenho ressalvas com sick-lit pelo exato motivo que você abordou na sua resenha: os autores nem sempre abordam todos os aspectos dos transtornos (problemas, recuperação/como lidar, etc). Mas adorei a resenha! <3

    ResponderExcluir
  21. Lê!
    TOc é uma doença bem angustiante e acredito que a autora focou nos problemas por serem mesmo bem complicados de se conviver.
    Na verdade ando evitando os livros de sick lit, justamente pelas sensações que me causam.
    Talvez leia mais para frente.
    “Se não queres que ninguém saiba, não o faças.” (Provérbio Chinês)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Participe do TOP COMENTARISTA de Janeiro, são 4 livros e 3 ganhadores!

    ResponderExcluir
  22. Essas narrativas sem muito reviravoltas e paradonas não me agradam muito, apensar de acreditar que o problema dos personagens seja interessante de ser explorado na narrativa. Até fiquei empolgada para fazer a leitura no começo, mas agora não estou mais. Vou acabar deixando para depois.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  23. Eu, particularmente, adorei a leitura desse livro. Realmente, não é um livro cheio de emoções, mas eu gostei da forma como a história é contada e dos personagens.

    laoliphant.com.br

    ResponderExcluir
  24. Poxa, esse é um livro que sempre me interessou, mas deixarei isso de lado e, quem sabe, mais para a frente eu não leia.. Adorei a resenha!

    Abraços e até!

    lendoferozmente.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  25. Oi, tudo bem?
    Adorei a sua resenha desse livro, eu quero sim ler o livro, mas depois dela não vou mesmo com muitas expectativas. O fato de ser um sick-lit me chamou atenção mas ela não saber desenvolver me deixa um tanto quanto incomodado.

    ResponderExcluir
  26. Eu adoro sick-lits, e como fiquei bem curiosa com o tema abordado pela autora, o TOC, do qual muito já ouvi falar mas não tenho tantas informações e documentos sobre, fiquei bastante empolgada com a leitura do livro. Acho um pouco chato essa mania da protagonista ficar batendo na mesma tecla com relação a psicóloga, acredito que eu também iria gostar mais de Beck. Mesmo assim, a capa é fofa ao extremo e eu ainda pretendo conferir o livro.

    ResponderExcluir
  27. Eu adoro sick-lits, e como fiquei bem curiosa com o tema abordado pela autora, o TOC, do qual muito já ouvi falar mas não tenho tantas informações e documentos sobre, fiquei bastante empolgada com a leitura do livro. Acho um pouco chato essa mania da protagonista ficar batendo na mesma tecla com relação a psicóloga, acredito que eu também iria gostar mais de Beck. Mesmo assim, a capa é fofa ao extremo e eu ainda pretendo conferir o livro.

    ResponderExcluir
  28. Não li e não pretendo, ele realmente não me chama atenção, desde do começo quando vi sobre ele já tinha decidido que não leria e apesar das resenhas que li não conseguiram me fazer mudar de ideia, a capa tambem não me chamou atenção

    ResponderExcluir
  29. Olá, tudo bem?
    Ainda não conhecia o livro mas só pela sinopse já me interessei bastante pelo livro!
    Com certeza irei ler assim que possível pois parece uma leitura tranquila e agradável, daquelas que tiramos muitas coisas boas para nosso dia a dia.
    até mais,

    www.vicio-de-leitura.com

    ResponderExcluir
  30. Oii, tudo bem?
    Eu já conhecia o livro e estou louca para ler, tenho uma amiga que tem TOC, então eu entendo um pouco sobre conviver com pessoas assim, tem que ter paciência, kkkkk.

    Beijos

    ResponderExcluir

Seja bem-vindo ao meu blog.
Sua opinião é muito importante, mas se lembre que respeito é bom e eu gosto!
Seguiu? Deixa o link que eu sigo de volta. E também retribuo os comentários.

Obrigada por vir até meu cantinho!